Festival de Curtas-Metragens de Sintra
12 a 15 Fevereiro 2015

Pt En

Secções do Festival


O Córtex, Lars e a Dinamarca

A quinta edição do Córtex – Festival de Curtas Metragens dedica o seu dia de abertura a um dos maiores vultos do cinema europeu, Lars von Trier. Pela primeira vez em Portugal, serão exibidas no grande ecrã os dois trabalhos de escola mais emblemáticos do realizador, produzidos ainda enquanto aluno da Danish Film School: “Nocturne” e “Befrielsesbilleder / Images of a Relief”. A direcção do festival criou a oportunidade única de proporcionar ao espectador, uma experiência que dificilmente se repetirá e que nos dá a conhecer as origens da genialidade espectral que habita a complexa estrutura cerebral e emocional do incontornável, Lars von Trier.

Sessão de Abertura

"Nocturne" é a primeira curta metragem de Lars von Trier realiza no âmbito académico, quando tinha apenas 24 anos. Uma obra que acima de tudo, revela a maior das sensibilidades de uma poesia visual e estabelece uma tensão narrativa, da qual mais tarde se tornaria mestre. Um retrato claustrofóbico de uma mulher aterrorizada pela luz do sol que invade o seu quarto. Um filme que facilmente nos conduz para obras “avant-garde” de Maya Deren e Luis Buñuel. “Nocturne” venceu o prémio de Melhor Filme no Festival Internacional de Escolas de Cinema de Munique.

"Befrielsesbilleder - Images of Relief" foi o primeiro filme de escola da Dinamarca a ter uma distribuição comercial nas salas de cinema. Esta deve ser considerada a primeira obra de Lars Von Trier, contrariando variadas publicações que referem “The Element of Crime” como a sua estreia. “Images of a Relief” é a génese cinematográfica, que Lars von Trier mais tarde, desenvolve com a trilogia dos E’s, onde se incluem os três primeiros filmes: “The Element of Crime”, “Epidemic” e “Europa”. A acção desenrola-se na Dinamarca no ano de 1945 e constrói-se em torno do soldado alemão Leo, que foge da sua missão de guerra em busca do seu amor perdido. “Images of a Relief” é uma destilação estética de questões respeitantes ao destino, à tragédia e acima de tudo, a questões que dizem respeito ao homem como um ser indubitavelmente mau. É a carta de amor que Lars escreveu à obra “The Conformist” de Bertolucci e “The Mirror” de Tarkovsky.

Córtex convida professor de Lars von Trier - A vida e obra de Lars por Peter Schepelern

Após exibição dos filmes, terá a palavra Peter Schepelern, professor associado catedrático na Universidade de Copenhaga onde Lars estudou durante o período de 1976-1979, antes de se matricular na Escola de Cinema da Dinamarca.

Peter é provavelmente o maior conhecedor a nível mundial da obra e vida de Lars Von Trier. Publicou alguns livros sobre Lars von Trier, como “Lars von Triers Elementer – En filminstruktørs arbejde” e “Lars von Triers Film – Tvang og befrielse”. Peter também publicou uma série de artigos sobre o cineasta, acerca do movimento Dogme 95 e do cinema dinamarquês contemporâneo.

Para além de uma conversa sobre os filmes exibidos após a sessão de abertura, Peter Schepelern irá conduzir ainda durante o Festival, uma palestra dedicada ao cinema de Lars, algo que tem vindo a fazer em inúmeros festivais pelo mundo fora e que pela primeira vez terá lugar em Portugal. Nesta apresentação serão mostrados pequenos excertos de duas curtas metragens que Lars realizou no anos 70, antes de ingressar na Escola de Cinema da Dinamarca.

Hemisfério

“Hemisfério” é uma nova secção que nasce pela necessidade de programar uma mostra de cinema, inteiramente dedicada às diferenças culturais de uma outra realidade. Uma mostra que convida todos os anos, uma instituição de cinema internacional, a programar um ciclo de curtas metragens do seu país. Acima de tudo, queremos oferecer ao púbico a oportunidade de se envolver com uma nova dimensão cultural através da sétima arte, colocando o espetador no papel ativo de uma nova concepção cognitiva da sua realidade social. Para esta edição, fez todo o sentido, convidarmos a Escola de Cinema da Dinamarca a programar uma mostra com filmes dos seus alunos, fazendo um elo de ligação entre um dos expoentes máximos do cinema dinamarquês Lars von Trier, estudante daquela instituição, com toda esta nova geração de realizadores. A Dinamarca tornou-se um dos paises europeus mais relevantes na produção cinematografica e a Escola de Cinema da Dinamarca contribui para esta realidade, impondo-se como uma das mais importantes instituições de ensino de toda a europa. De acordo com Henrik Bo Nielsen, diretor do Instituto de Cinema Dinamarquês, o mercado chega a lançar seis realizadores por ano, em que pelo menos um ou dois são originários de outro país escandinavo.

Elizabeth Rosen, coordenadora internacional da Escola de Cinema da Dinamarca estará presente, representando os filmes da Instituição.

30 – Laura Ludmilla Sorensen

En Drom / A Dream – Niels Dolmer

En Maller / The Painter – Hylnur Palmason

The Association of Joy – Amamda Kernll

Whole – William Reynish

Competição Nacional

O Festival Córtex selecionou 16 filmes para a Competição Nacional produzidos entre 2013 e 2014:

3 semanas em Dezembro - Laura Gonçalves | ANIM | 6’

Alda - Ana Cardoso | ANIM | 11’

A Minha Idade - Hugo Pedro | FIC |21’

Bétail – Joana Sousa | DOC | 25’

Cabeça – Miguel Tavares | FIC | 4’

Coisa de Alguém – Susanne Malorny | DOC | 26’

Dedálo - Jerónimo Rocha | FIC | 10’

Ennui, Ennui – Gabriel Abrantes | FIC | 33’

Fuligem – David Doutel e Vasco Sá | ANIM | 14’

Fúria – Diogo Baldaia | DOC | 19’

Lazareto – Diogo Allen | DOC | 15’

Miami - Simão Cayatte | FIC |15’

Não são favas, são feijocas – Tânia Dinis | DOC | 10’

Sonâmbulos – Patrick Mendes | FIC | 22’

Triângulo Dourado – Miguel Clara Vasconcelos | FIC | 18’

...-... – Hugo Magro | DOC | 10’

Competição Internacional

A Competição Internacional cresce mais um dia na 5ª edição. Desta forma, o Festival Cortéx selecionou 12 filmes produzidos entre 2013 e 2014.

Carnad ou Lapin - Christine Grulois, Gilles Bissot | França | FIC | 16’

Domoj – Simona Fldman | Alemanha | FIC | 9’

En Maler - Hlynur Pálmason | Dinamarca | FIC | 30’

Matilde – Vito Palmieri | Itália | FIC | 10’

Miruna – Piotr Sułkowski | Polónia | FIC| 20’

More than two hours – Ali Asgari | Irão | FIC |15’

Mur – Andra Tévy | França | FIC | 17’

Os Meninos do Rio - Javier Macipe | Espanha | FIC | 14’

Pandas – Matúš Vizár | Eslováquia | ANIM | 11’

Sajára – Juanan Martinez | Espanha | FIC | 20’

Toi quên roi? J’ai oublié! – Eduardo Williams | França | DOC | 29’

Wedding Cake – Viola Baier | Alemanha | ANIM | 9’

Mini Córtex

Pela primeira vez, o Festival Córtex vê nascer uma competição a pensar no público infantil. O Mini Córtex tem o intuito de envolver e estimular os mais pequenos, através do dispositivo que é o cinema. Porque somos recém nascidos, porque ainda não abrimos bem os olhos e porque queremos oferecer o melhor do cinema de animação para a infância, a MONSTRA – Festival de Animação de Lisboa associa-se ao Córtex para unirem forças e juntamente selecionarem e programarem a primeira mostra competitiva.
Há 15 anos que o Festival Monstra, através secção Monstrinha, oferece um espaço de cinema a pensar nos mais pequenos transportando “em si elementos que contribuem para aprendizagem, saber e conhecimento. No prazer de descobrir novas histórias e dramaturgias na arte do movimento e da animação onde encontrarão sempre motivadores para novos saberes”.
O Mini Córtex pretende favorecer cinema que possibilite a construção de imaginários e que produza uma identificação na vivência de emoções.

A Minha Casinha – Maria Raquel Atalaia | Portugal | ANIM | 7’30’’

A Minha Mãe é um Avião – Julia Aronova | Russia | ANIM | 7’

Criatura Estranha – Cris Garcia | Holanda | ANIM | 3’42’’

Eideann - Álvaro Granados | Espanha | ANIM | 5’30’’

Foi o Fio - Patrícia Figueiredo | Portugal | ANIM | 5’30’’

Masha e o Urso - Roman Kozitch | ANIM | 7’

O Quiosque - Anete Melece | Suiça | ANIM | 7’

Sara e o Pato – Sarah Gomes Harris e Tim O'Sullivan | UK | ANIM | 7’

De Planeta – Leonardo Cavaletti | ANIM | 2’