Festival de Curtas-Metragens de Sintra
16-19 de Fev. 2017

Pt En

Competição Nacional


A TERCEIRA METADEVirgílio Pinto | Portugal | 11’ | FIC | 2016

No dia mais quente do ano nos subúrbios de Lisboa, Mauro, às portas da idade adulta tem uma decisão para tomar que vai mudar a relação com o seu melhor amigo e mentor.

A TORRESalomé Lamas | Portugal, Alemanha, Moldavia | FIC, DOC | 8’ | 2015

Talvez a experiência de Kolja de subir ao topo da árvore, de metamorfosear o seu corpo (humano) com a árvore (natureza) aventurando-se na fronteira da terra com o céu, venha confirmar a sua pureza de espírito, a grandiosidade dos idiotas ou a imbecilidade dos místicos. Ou será tudo isto junto? Talvez seja um sintoma dos iluminados ou somente um suicídio elaborado.

ANTÓNIO, LINDO ANTÓNIOAna Maria Gomes | Portugal | DOC | 42’ | 2015

António, lindo António é um documentário que procura saber as razões pelas quais o tio da realizadora, que partiu há 50 anos para o Brasil, nunca mais voltou à sua aldeia, para indignação da sua mãe e dos irmãos: “A casa não saiu do sítio, só tem que pegar num GPS se já não encontrar o caminho.” Entre um Portugal tradicional e o Rio de Janeiro onde se instalou o tio António, um oceano de incompreensões e de omissões.

ASCENSÃOPedro Peralta | Portugal | FIC | 18’ | 2016

Alvorada: um grupo de camponeses tenta resgatar o corpo de um rapaz de um poço. O tempo escasseia. As mulheres velam ansiosas em silêncio. Os homens resistem no limite das suas forças. No centro de todos eles: uma Mãe aguarda o resgate do filho. A espera acaba. O corpo do rapaz emerge das profundezas da terra. Como pode a Vida cessar, se na Natureza tudo renasce, imensamente? Ao fundo o sol inunda o horizonte. Há um novo dia adiante.

BALADA DE UM BATRÁQUIOLeonor Teles | Portugal | DOC | 11’ | 2016

Tal como os ciganos, os sapos de loiça não passam despercebidos a um olhar mais atento. Balada de um Batráquio surge assim num contexto ambíguo. Um filme que intervém no espaço real do quotidiano português como forma de fabular sobre um comportamento xenófobo.

CABEÇA D’ASNOPedro Bastos | Portugal | EXP | 12’ | 2016

Cabeça D’Asno é um filme experimental que parte de duas questões: Como surge a primeira imagem na nossa cabeça e, quando uma imagem perde o seu significado original e se transforma numa outra coisa.

CAMPO DE VÍBORASCristèle Alves Meira | Portugal | FIC | 19’ | 2016

Numa aldeia no nordeste de Portugal ocorre um drama inexplicável. Num jardim cheio de víboras é encontrada morta uma senhora idosa. A sua filha Lurdes desapareceu sem deixar rasto. Os rumores sobre o que se poderá ter passado e o destino da casa começam a espalhar-se rapidamente.

CHATEAR-ME-IA MORRER TÃO JOVEEEEEM...Filipe Abranches | Portugal | Anim | 16’ | 2016

Tu, pobre soldadinho, vais alegre para a guerra, sem saber que já levas a pétala vermelha que marca os que irão nela perecer. Ela é a morte amarela mostarda que te fará sufocar numa trincheira lamacenta e pestilenta, não sem antes te apresentar a alguns danados que já partiram e lá te esperam nos campos da desolação.

FIM DE LINHAPaulo D’Alva, António Pinto | Portugal | ANIM | 12’ | 2016

Fim de linha é um filme baseado em facto reais que nunca aconteceram, mas que podem vir acontecer, nunca se sabe... Qualquer realidade com a pura coincidência é semelhança.

MENINASimão Cayatte | Portugal | FIC | 15’ | 2016

Lisboa, 1971. Uma jovem “mulher do lar” ganha coragem e descobre uma realidade que mudará a sua vida.

ONDE FOI A MINHA SORTE?Pedro Gonçalves | Portugal | DRAMA | 10’ | 2016

Francisco, um rapaz de 6 anos, joga uma partida de futebol na escola, com os seus ténis da sorte. Acabado o jogo, o rapaz esconde-se num recanto a tratar das feridas nos pés. Uma rapariga interroga-o sobre o acontecimento e ele diz que tem de tratar das feridas sozinho com medo que a mãe deite os seus ténis fora. Em casa, a mãe Lúcia joga dominó com o seu namorado, que o lho desconhece. Francisco descobre os rastos do jogo da mãe e confronta-a. Mais tarde adormece e a mãe encontra as suas feridas. No dia seguinte Francisco vê que a mãe deitou fora os seus ténis e esta decide apresentar-lhe o namorado, quando o vai buscar à escola.

OS CRAVOS E A ROCHALuísa Sequeira | Portugal | DOC |16’ | 2015

25 de Abril de 1974, o iconoclasta cineasta brasileiro Glauber Rocha está em Portugal. Entra no filme registo colectivo da revolução dos cravos, ”As Armas e o Povo”. Com seu olhar estrangeiro e peculiar, rompe com as regras convencionais do se fazer cinema.

PEDROAndré Santos, Marco Leão | Portugal | FIC | 18’ | 2016

Pedro regressa a casa pela madrugada. Antes que o jovem rapaz consiga adormecer, a sua mãe solitária arrasta-o para a praia.

ROCHAS E MINERAISMiguel Tavares | Portugal | FIC | 9’ | 2015

É comum não se saber a diferença entre rochas e minerais – muitos acreditam ser a mesma coisa. Na verdade, os minerais são apenas partículas que compõem as rochas, tal como as férias de verão são apenas uma parte do crescimento de Maria e Camila.

SALA VAZIAAfonso Mota | Portugal | FIC | 20’ | 2015

João e Helena vivem parte da sua relação num mundo virtual. Eles comunicam através de imagens e ligações que os seduzem e cuja atmosfera pretendem incorporar em si próprios. Uma noite, antes de uma festa, João entra no facebook de Helena. O fascínio que ele sente por ela leva-o a um confronto com consequências mais sérias do que as da realidade que até então habitava.

SEM FIMJoão Tenera | Portugal | DOC | 16’ | 2016

Imagens filmadas à mão com a minha camcorder que perdi no fim do Verão. As imagens aparecem segundo a ordem porque foram filmadas. Imagens que relacionam-se como se fossem uma recordação, com narração que surge da necessidade de as complementar.